create counter

João Bosco mostra canções do último álbum em Amsterdam

0

Boa noite gente! Obrigado Gente! Assim, com poucas palavras, João Bosco mostrou em Amsterdam que sua música continua mais atual e necessária que nunca. Numa turnê pela Europa, o artista e ícone brasileiro canta, reconta e reinventa sucessos da música brasileira, dos seus mais de 45 anos de carreira, além de canções do mais recente álbum ‘Mano que Zuera’ (2017).

João Bosco em Amsterdam - Holanda - Bimhuis (c) Ron Beneen
João Bosco volta à Amsterdam e canta sucessos de carreira e músicas do último álbum.

Agenda da Bailandesa: Milton Nascimento se apresenta em junho na Holanda

João Bosco em constante inovação

É sabido que João Bosco é aclamado nacional e internacionalmente pelo seu violão virtuoso, melodias inesperadas e canções que formam um estilo único. Mas o que o torna ainda mais singular é a sua capacidade de mesclar tantas influências e de reinventar constantemente a sua obra.

João Bosco traz o show João Bosco Quartet para o Bimhuis em Amsterdam - foto: Ron Beenen
João Bosco traz o show João Bosco Quartet para o Bimhuis em Amsterdam

Fôlego musical em ótima companhia

Como de costume, João Bosco estava acompanhado por brilhantes músicos; como o mago da bateria Kiko Freitas –  que a todo momento roubava a cena -, a guitarra refrescante e versátil de Ricardo Silveira e a criatividade do baixo de Guto Wirtti.  Com o seu quarteto, o cantor e compositor mostrou que aos 70 e poucos anos está com um fôlego musical de atleta e ainda tem muito a contribuir para a música no Brasil e no mundo.

Kiko freitas em show de João Bosco - Amsterdam  - Bimhuis - foto: Ron Beenen - Bailandesa.nl
Kiko Freitas foi eleito pela Revista Modern Drummer como o melhor baterista de World Music em 2019

Passaporte musical

Como um passaporte musical, o repertório do show nos levou a vários destinos. Assim, fomos à Bahia com os seus afroritmos, em canções como ‘Vatapá’ de Dorival Caymmi e ‘Cordeiro de Nanã. Já ‘Ultra Leve’, canção do mais recente álbum, foi um voo pelo Rio. Ainda tivemos direito a ouvir ‘Lygia’ de Jobim, vestida num arranjo de jazz, que nos levou num tapete mágico pelos ares e areias cariocas. Ah, se não teve ‘O Bêbado e o Equilibrista’ ou ‘Papel Machê’, não faltaram os clássicos como ‘Incompatibilidade de Gênios’, ‘Kid Cavaquinho’ e ‘Odilê e Odila’- que fizeram a plateia cantar junto e matar as saudades.

João Bosco e o guitarrista Ricardo Silveira foto: Ron Beenen
João Bosco e a versátil guitarra de Ricardo Silveira

O universo de João Bosco

O show nos levou a vários lugares, mas o melhor de João é o seu próprio universo. É que a sua musicalidade nos faz navegar em dimensões e texturas surpreendentes. Como um corsário incansável, João Bosco faz novas conquistas sonoras a todo momento, mas sem nunca sair do seu estilo. Ouvir João (principalmente ao vivo) é como provar um sabor conhecido. Só que numa receita inédita. João é jazz, é MPB, é samba, é latin, mas na essência, João é Brasil e um Brasil do qual ainda podemos nos orgulhar. Obrigada João! Volte sempre.

Confira mais shows e eventos culturais na Agenda da Bailandesa

Confira a agenda de João Bosco para saber sobre mais shows na Europa

Share.

Leave A Reply