create counter

Nasceu! Chegou o meu verblijfsvergunning

3
Depois de uma gestação de 10 meses, nasceu a criança. Olha só a carinha dele. Não estranhem o nome esquisito: verblijfsvergunning. Depois de tanta espera, não me importa o nome, nem a foto – mais adequada para espantar mosquito. O importante é que o meu visto é perfeito, saudável e me dá direito a ser uma pessoa quase normal, nesta terra onde ser normal já é loucura suficiente.

 

Sim gente, na última quinta-feira, depois de um dia infernal, fui pegar a famosa e esperada carteirinha acima. O negócio é tão difícil, tão “amarrado de corda” que se contar como foi o meu dia, vai parecer que é mandinga- você tem que sofrer muito antes de colocar as mãozinhas nessa carteirinha plástica do tamanho de um cartão de crédito, mas essencial pra ser alguém aqui na Disney do Queijo.

Tinha acabado de sair do banho e estava me preparando para ir passar a manhã em Utrecht e depois, à tarde, ir a Zeist para a entrevista com a pessoa responsável pelo inburgering (curso de integração). Toca o meu celular e o número é desconhecido. Tinha enviado o meu currículo para um anúncio no dia anterior, mas jamais esperaria que me ligassem na manhã seguinte. Pois não é que a mulher marcou a entrevista pra 12:30h! Saí correndo, troquei a indumentária para algo mais adequado, peguei dois ônibus e cheguei a tempo. Chegando lá, fui metralhada por duas mulheres durante mais de duas horas, contando os minutos para a outra entrevista em Zeist. Quando se deram por satisfeitas, a sessão raio x terminou e, virada pelo avesso, fui para o ponto de ônibus pra chegar a tempo em Zeist para a entrevista do inburgering. Como não tive tempo de me preparar e conhecer melhor o negócio da empresa, não acredito num resultado positivo, mas foi uma boa experiência. Principalmente por ser a minha primeira entrevista aqui e em inglês.

Sem almoçar e morrendo de vontade de fazer pipi, lá fui eu pra Utrecht, para pegar um outro ônibus para Zeist. Claro que ao chegar, peguei o ônibus errado e tive que esperar mais uns quinze minutos pelo correto. Cheguei em Zeist, encontrei com Ron (que tinha comprado um sanduiche, o qual não tive tempo de comer) e lá fomos nós para o escritório da PlusWerk, para a tal entrevista – detalhe: sem almoço e sem ir ao banheiro. Chegando lá, sem chance de perguntar onde era o wc, a mulher foi logo dizendo: “como você já fez o curso, vamos falar em holandês, ok?” Cabeça e bexiga explodindo, estômago colado na espinha, eu tentava entender o que a mulher falava e tentava formar algumas frases decentes nesse idioma alienígena. Afinal, se quero tentar continuar a estudar no James Boswell, tenho que impressionar a moça. Acho que a estratégia deu certo! Ela está fazendo o que pode para que eu continue a estudar lá.

 

Chegando em casa, abrimos a caixa de correio, lá estava uma cartinha da Gemeente ( prefeitura) informando que o meu visto estava prontinho e que eles estavam abertos até às 19:00 h. Não tivemos dúvidas, demos meio volta e fomos buscar a “criança”. Que dorme agora, em berço esplêndido na minha carteira. Ufa!

 

Pra relaxar e comemorar, na 6a feira fomos a Efteling, o maior parque de diversões daqui. Amei e virei criança de novo!

 

 

Share.

3 Comentários

  1. Eu tambem fico muito infeliz.
    E muito dificil ficar sem trabalhar. E nao tenho amigos aqui. Sou carioca, professora … mas aqui isso nao ta valendo. Pareco outra pessoa. MInha filha tb estranha as pessoas. nao falam cm ela por causa da lingua. AS vzs da vontade de desistir. Mas penso que o pior e nao ter com quem falar.

  2. Fui ao Efteling uma vez ano retrasado..é muito lindo não?!! Amei o Troll …
    Parabéns pelo citado documento..!

Leave A Reply